Premiação do Campeonato Baiano de Vela de Oceano – CBVO 2019

Vem aí um dos dias mais esperados do ano: a Premiação do Campeonato Baiano de Vela de Oceano!

A cerimônia acontece no dia 30/11, a partir das 17h30, no Aratu Iate Clube, reunindo toda a turma do mar em uma grande confraternização regada a cerveja, petiscos e muita resenha. No mesmo dia, acontece ainda a premiação do Troféu Interclubes, com a consagração do clube Campeão do Ano. Vale lembrar que todos são convidados a bordo das suas embarcações, com pernoite franqueado no AIC. É imperdível! Save the Date!

Assembléia Geral Ordinária 2019

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA

Fabrízio Cruz, Capitão da Flotilha de Veleiros de Oceano da Bahia (FVOBA), no uso de suas atribuições, convoca a todos os interessados a participarem da Assembléia Extraordinária a realizar-se às 19:00 horas do dia 28 de novembro de 2019 na SOCICAM Náutica e Turismo, no Terminal Náutico, Salvador – Bahia, para tratar dos seguintes assuntos:

  • Eleição do Capitão de Flotilha para o ano de 2020;

As Chapas devem ser formadas por um candidato a Capitão e um candidato a vice-Capitão e devem ser apresentadas através do email: flotilhafvoba@gmail.com até o dia 25 de novembro.

SSA, 12 de novembro de 2019

Fabrízio Cruz

Capitão de Flotilha 2019

Barcos de Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Ilhabela (SP) levam títulos na 69ª Regata Santos-Rio

Premiação será realizada na sexta-feira, dia 1º, a partir das 19h em conjunto com a 50ª edição do Circuito Rio que começa nesta quinta-feira

Terminou nesta segunda-feira a 69ª Regata Santos-Rio, evento com saída do Iate Clube de Santos, na cidade da Baixada Santista no estado de São Paulo, e chegada no Rio de Janeiro, no Iate Clube situado no bairro da Urca.
A competição mais tradicional do país de Vela de Oceano, com chancela da ABVO, Associação Brasileira de Veleiros de Oceano, teve disputas por 200 milhas náuticas das classes IRC, ORC e BRA-RGS com campeões de Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Ilhabela (SP). Ao todo foram 25 barcos na disputa dos estados do RJ, SP e ES.

Na classe IRC o troféu ficou com o santista Rudá, sediado no Clube Internacional de Regatas. Foram 33 horas no mar (tempo corrigido de 36 horas) concluindo a regata na noite de sábado, dia 26. Foi o quarto título do Rudá no geral e o segundo seguido: “Confirmou a previsão na saída com vento de Sul, Sudeste, e foi virando para Leste. Depois de Ilhabela foi um Leste forte, bastante técnica, algumas particularidades, muitas mudanças. Foi uma regata de contra-vento, longa. Um dos fatores que pesou foi a chegada onde não tinha vento, uma maré difícil, barcos que não chegaram até 2 da manhã encontraram maré vazando. Número expressivo de barcos, ótima regata e ano que vem comemoraremos a 70ª edição”, disse Mário Martinez, comandante do Rudá.

O Inaê, também de Santos, do Pier 27, ficou em segundo lugar e o barco do Rio de Janeiro, o Villegagnon, da Escola Naval, fechou o pódio.

Na classe ORC, o barco do Iate Clube do Rio de Janeiro, o Angela Star VI conquistou o segundo troféu na Santos-Rio foi o fita azul da Santos-Rio fechando no meio da tarde de sábado com pouco mais de 28 horas no mar deixando o também carioca Khrisna Pajero na segunda colocação e o Sorsa III na terceira posição.


Peter Siemsen, comandante do Angela Star e velejador desde 1948, não esteve à bordo por conta de um problema de saúde, mas comemorou a conquista do barco. Na temporada eles lideram o ranking da Copa Brasil ABVO na classe e buscam o título de barco do ano: “Está sendo uma ótima temporada em todos os sentidos. Já estávamos sempre entre os líderes nos últimos anos, mas ainda não conseguimos vencer a Semana de Vela de Ilhabela que ficamos em segundo. Não consegui participar da Santos-Rio, mas estou buscando ficar bem visando o Circuito Rio”, disse Siemsen.

Na BRA-RGS o caneco ficou com o BL3 Urca, de Ilhabela (SP), que completou o percurso em 43 horas e 51 minutos, chegando na manhã de domingo na Baía de Guanabara. O segundo lugar ficou com o Açores III em segundo e o Aries III concluindo o pódio.


Clauberto Andrade celebrou a conquista do barco que também lidera o ranking da categoria na Copa Brasil da ABVO buscando ser o melhor da classe na temporada: “Viemos com ex-alunos da BL3, não eram primários, somente um havia feito Santos-Rio, mas os demais experientes, a expectativa era chegar bem. A Santos-Rio é um desafio e com cautela, viemos regrando para controlar carga de bateria das pessoas, sem judiar da tripulação para terminamos o trecho inteiro. Foi super legal, uma das melhores que fizemos apesar das mais de 40 horas. Pessoal se dedicou o tempo inteiro, entendo que passaríamos esse tempo inteiro. Estamos super animados para a próxima”, disse.


O barco H2ORÇA segue no mar e até a tarde desta segunda-feira estava na Restinga de Marambaia sem problemas na navegação com previsão de término antes do prazo final estipulado para às 12h09min desta terça-feira.

A partir desta quinta-feira será dado início da simbólica 50ª edição do Circuito Rio, na Baía de Guanabara, com sede no Iate Clube do Rio de Janeiro com quatro dias de festa e regatas até o domingo, dia 3. As inscrições terminam na manhã de quinta-feira e podem ser feitas pelo site 
https://www.icrj.com.br/vela/images/aviso_regata/2019/10_out/ar_circuito.pdf ou no local. Estarão em disputa as classes ORC, IRC e BRA-RGS.

A primeira largada será na quinta às 12h com a premiação final às 18h do dia 3.

A premiação da 69ª Santos-Rio será em conjunto com a 50ª edição do Circuito Rio na sexta-feira a partir das 19h no Iate Clube do Rio de Janeiro. A partir das 22h do mesmo dia será realizada a Festa da Vela. 

Resultados 69ª Santos Rio

ORC
1 –  ANGELA VI 28h 21min 14s2 –  KHRISNA PAJERO 29:01:113 –  SORSA III 29:10:164 –  BIJUPIRA 30:45:125 –  FIRE & FORGET 31:03:426 –  DUMA 31:36:367 –  +BRAVISSIMO 37:52:56
IRC
1 –  RUDÁ 1 dia 12h 14min 13s2 –  INAE 1 dia 14h 04.47   3 – VILLEGAGNON 1dia 14h43.13 4 – SARAVAH 1 dia 14h 44.48 5 – LADY MILLA 1 dia 15h 51.00 6  – ORSON 1 dia 20h 36.53 7  – MY BOY 1 dia 20h 56.28 8 – DONA BOLA 1 dia 22h 30.54
BRA-RGS
1 – BL3 1dia 19h 51.36 2 – AÇORES III 1 dia 20h 03.50 3 – ARIES III 1 dia 21h 30.05 4 – BELEZA PURA 1 dia 22h18.04 5 – SQUALUS 2 dias 0h 03.32 6 – SAINT MALO 2 dias 0h 03.41 7 – CHERNE NÃO COMPLETOU 7 – BORN FREE NÃO COMPLETOU 7 – ANAUE I NÃO COMPLETOU7 – H20RÇA – Ainda não completou

Fotos: Veleiro Rudá tetracampeão da Santos-Rio, Angela Star e BL3. Largada da Santos-Rio com barcos Angela VI e BL3 em destaque / Crédito: Will Carrara

Fonte: Gallas Press

Campeonato Baiano de Vela de Oceano – CBVO 2019

Senhores boa noite.
Na tarde de ontem chegamos ao final do Campeonato Baiano de Vela de Oceano 2019 – CBVO 2019.
Gostaria de compartilhar com vocês minha alegria em participar dessa equipe que conseguiu tornar realidade um formato de Campeonato idealizado em 2016 e que foi tomando forma aos poucos com a colaboração de todos.
” – Precisamos trazer as pessoas de volta para as raias. A questão técnica só pode ser tratada com barcos na raia!”
Em 2018 as regatas voltaram a ter quorum e em 2019 realizamos um Campeonato só com regatas técnicas! Obrigado ao Conselho Técnico, a Márcio Cruz – FENEB, aos capitães que me antecederam, Arnaldo Pimenta, Lúcio Bahia, Fabrício Galvão. Obrigado a Geraldo Wicks pelas ponderações e incentivo. Obrigado especialmente a Maurício Sacchi e André Costa, tudo aqui realizado tem não apenas o apoio mas o trabalho e empenho de vocês. Enfim, obrigado a cada comandante que tem apoiado essa ideia e ajudou a construir esse resultado. Obrigado.
Em definitivo, voltamos a ter campeões estaduais que lutaram bravamente pelos seus títulos, vencendo oponentes, condições climatológicas e principalmente seus limites.
Assim que o formato da premiação seja definido iremos compartilhar no grupo. Durante a premiação também será sorteado entre os participantes do campeonato, o voucher da Quantum Sails no valor de R$ 2.000,00 para compra de velas.
Voltaremos a nos encontrar em breve nas raias nos dias 26 de outubro (Aniversário do AIC), 02 de novembro (Regata da Primavera) e 15 de novembro (Regata Aratu – Salinas).
Abraços

VPRS, como é esta nova regra?

VPRS… SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO POR PREVISÃO DE VELOCIDADE

Baseado em https://vprs.org/info/VPRS_summary.pdf

CÁLCULO DE RATINGS VIA SOFTWARE DE PREDIÇÂO DE VELOCIDADE

VPRS usa um software de previsão de velocidade (VPP) e um conjunto não muito grande de medições do casco e velas, para obter uma avaliação científica do desempenho do veleiro. As velocidades do barco são previstas para uma variedade ampla de velocidades do vento vindo de diversas direções (mareação). Uma média ponderada das previsões é então tomada e expressa como um coeficiente de correção de tempo (TCC).

As medições e outros dados são cuidadosamente escolhidos para captar variações no equipamento (velas, hélice) e de projeto que têm o maior impacto sobre o desempenho do veleiro. Além disso, as definições de medição são definidas de modo a minimizar as oportunidades de otimização de rating.

O resultado é um sistema de classificação justo, acessível e fácil de usar.

ENTÃO, QUEM ESTÁ USANDO VPRS?

A Poole Yacht Racing Association (PYRA), do Reino Unido, organizou um campeonato teste em 2010 e desde então eles passaram a usar o sistema de forma exclusiva. Hoje ele é usado por todos os principais clubes em Poole Harbour, Chichester Cruiser Racing Club e Hayling Island SC, o clube de vela Hardway em Gosport e Castle Cove em Weymouth, todos na Grã-Bretanha. A classe foi incluída como teste na série de inverno 2018 no Porto de Plymouth. Há dois clubes internacionais utilizando VPRS: SilaVetra Cruiser Racing no Mediterrâneo e a nossa Flotilha de Veleiros de Oceano da Bahia (FVOBA).

Os principais benefícios do VPRS citados pelos usuários são limites de classe flexíveis, fornecidos por um único sistema de classificação, boas regatas com veleiros de uma mesma classe chegando próximos uns dos outros (no corrigido) e aumento da participação nas regatas.

RESUMO EXECUTIVO…

  •  Certificados de anuais para qualquer barco custa £20  (aproximadamente R$ 100,00).
  •  Os certificados são publicados no site http://www.vprs.org e podem ser visualizados por qualquer pessoa.
  •  Dois certificados de avaliação (enxoval de velas medido, por exemplo) gratuitos são permitidos a cada ano – um novo certificado pode ser emitido, se necessário.
  •  VPRS é estritamente baseado em medição e permite cálculo de ratings para veleiros modernos, projetos clássicos e até “barcos esportivos” (como J/70 e HPE 25)[1].
  •  As classificações são universalmente aplicáveis porque o sistema não depende de ajustes locais.
  •  Um VPP é usado para dar uma avaliação científica do desempenho do barco; o rating não é um meio de avaliação do pessoal/tripulação.
  •  Cada barco é avaliado independentemente; isto permite que as evoluções do tipo durante todo a produção sejam capturadas, e as regatas de classe de projeto possam ser melhor contabilizadas.
  •  Os ganhos do desempenho das velas laminadas e de corte baixo, assim como as perdas por velas orientadas para cruzeiro e enroladores de genoa, por exemplo, são refletidos nas classificações.
  •  TCCs para classes sem Balão e para flotilhas mistas são incluídos no mesmo certificado.

COMPARATIVO COM OUTROS SISTEMA DE MEDIÇÃO

  • Por não ser baseado em fórmulas (como o IRC e a RGS), o sistema não penaliza demasiadamente veleiros fora do padrão, proporcionando ratings adequados tanto para barcos mais modernos/regateiros quanto para barcos clássicos.
  • Por não requerer um “scan” do casco, mas apenas um número limitado de medidas, é relativamente fácil medir um veleiro, em comparação com a ORC (que também usa um VPP.)
  • No entanto, é necessário, como na ORC e na IRC, pesar a embarcação. Apesar de encarecer um pouco a medição, pesar o barco traz uma vantagem importante: torna desnecessário as medidas da RGS como “gerador”, mesa, banheiro, e outros critérios subjetivos.
  • É possível obter ratings mesmo com medidas incompletas, utilizando medidas de barcos irmãos, peso do projeto, etc, a critério da organização da VPRS e do clube local. Assim, todos podem participar. Novas medições (pesar o barco, por exemplo) em geral abaixam o rating, então é vantajoso para o comandante medir apropriadamente o seu barco. Mas sua embarcação pode participar mesmo antes de ter oportunidade de medi-la completamente.  

[1] Alguns J/70 já foram medidos. Acreditamos que o VPRS possa funcionar bem para projetos como Skipper 21 e HPE 25 aqui no Brasil.

Calendário 2019 – Revisão 01

Prezados,

Segue o calendário de Vela de Oceano revisado em junho de 2019. A Regata da Primavera foi remarcada para o dia 02 de novembro..

“COMUNICADO SAVEIRO CLUBE DA BAHIA

Caros amigos velejadores. A Regata da Primavera de 2019 estava agendada para acontecer no dia 19 de Outubro. Reavaliando o calendário e após entendimentos com o Capitão da FVOBA e o Gerência Técnica da Regata o Saveiro Clube da Bahia decidiu transferir a Regata da Primavera para o dia 02 de Novembro. Tal atitude permitirá que diversos velejadores de clubes náuticos e marinas que irão participar da REFENO tenham tempo hábil de retorno e possam se programar para participar dessa tradicional regata baiana. Bons Ventos. Saveiro Clube da Bahia.”

Calendário de Vela de Oceano 2019 - Rev 01

Nova RGS na Bahia – 02!

Vistorias Regata de Inverno

Prezados boa noite.

Como consequência das ações iniciadas em 29 de abril para correção de algumas distorções nos certificados dos barcos RGS, adotamos algumas medidas e entre elas a vistoria de barcos que disputem a regata em classes RGS, conforme item 2.4.h da Regra RGS.

A primeira experiência se deu na Regata de Inverno – 2ª Regata Cotegipe, tendo como critérios pré-definidos para a escolha, os barcos que, após a apuração, fossem classificados em 1º e 2º lugar na RGS Geral e 1º lugar na RGS Cruiser.

Nessa primeira experiência, as vistorias foram agendadas pelos comandantes e as embarcações vistoriadas nos respectivos Clubes e Marinas. Brevemente as vistorias acontecerão assim que os barcos cruzem a linha de chegada, com critérios de escolha diferentes.

Feitas as vistorias, participamos hoje os resultados das mesmas, bem como a avaliação da Comissão Técnica sobre esses resultados:

  1. Vó Santinha – Vistoria realizada na AVAR, Ribeira, em 24 de maio às 17 horas. Resultado: O barco foi vistoriado na água não tendo sido encontrado qualquer diferença para o certificado. As velas foram apresentadas em terra e após a vistoria ficou constatado que todas as velas utilizadas não estavam medidas e assinadas pela regra RGS ou por qualquer outra aceita pela regra RGS.
  2. Alpha 2 – Vistoria realizada no Saveiro Clube, Ribeira, em 24 de maio às 18 horas. Resultado: O barco foi vistoriado na água não tendo sido encontrado qualquer diferença para o certificado. Algumas velas foram apresentadas ainda a bordo e uma genoa foi apresentada em terra. Todas apresentavam marcações das medidas, embora algumas já não estão facilmente legíveis. Ao comparar com o certificado, todas as velas estão dentro dos limites do certificado.
  3. Sentido’s – Vistoria realizada no AIC, Baía de Aratu, em 29 de maio às 14:30 . Resultado: O barco foi vistoriado na água, não tendo sido encontrado qualquer diferença para o certificado. Todas as velas foram apresentadas a bordo. Apesar de todas estarem reconhecidamente marcadas, essas marcações estão bastante desgastadas.

Como consequência das vistorias esta comissão decide:

  • Desclassificar o veleiro Vó Santinha da Regata por não atender o item 5.2.a e a.6), portando e utilizando velas não medidas. Segundo declaração colhida do comandante da embarcação durante a vistoria, essas foram as velas utilizadas em todas as regatas até aqui. Por essa razão, fica decidida a extensão da desclassificação para todas as Regatas já realizadas em 2019, onde a embarcação tenha sido inscrita como RGS. O barco está ainda declarado como não elegível a qualquer classe RGS até que seja feita medições das suas velas e atualização do seu certificado. Caso essa medição seja feita em outra Regional, esta comissão reserva-se o direito de não permitir a inscrição do barco nas categorias RGS até que seja feita nova vistoria. Até a expressa liberação em contrário, o barco poderá disputar Regatas apenas na classe aberta ou bico de proa.
  • Recomendamos aos veleiros Alpha 2 e Sentido’s que procedam o quanto antes uma nova medição das velas com objetivo de reacender as marcações, facilitando futuras inspeções.

Sendo assim, esta comissão encerra os trabalhos ligados à Regata de Inverno e segue buscando meio de agilizar e aprimorar as vistorias.

Obrigado a todos. Sigamos!

Fabrízio Cruz (Capitão FVOBA), Maurício Sacchi (Vice Capitão) e André Costa (Diretor Técnico)

Nova RGS na Bahia !

Reproduzimos a seguir, o comunicado à Flotilha enviado em 29 de abril de 2019, com as ações definidas para reorganizar a Regra RGS na Bahia.

“Ações sobre a RGS

Senhores, nas últimas semanas recebemos diversas queixas a respeito das medições dos barcos da Classe RGS. Esses questionamentos dizem respeito aos mais diversos problemas, desde a modificação das características do barco após a medição, uso de velas não medidas, e toda sorte de infrações à regra.

Nesse momento em que participamos do aquecimento do esporte, com o retorno de grandes nomes da nossa história às regatas, velejadores experientes que passaram a se interessar pelas competições e muitos novos adeptos com disposição para aprender e renovar nossa flotilha, não podemos permanecer passivos, sabendo que erros dessa natureza, sejam eles voluntários ou não, atentam contra o equilíbrio da disputa, causando uma imensa sensação de injustiça a todos os competidores.

Por essa razão, buscamos o alinhamento com o Coordenador da RGS-BRA na Bahia para tomar algumas medidas com o intuito de trazer de volta a transparência às nossas competições. Seguem as principais:

  1. A FVOBA está assumindo a Coordenação local da Regra;
  2. A Comissão Técnica da FVOBA reserva-se o direito de solicitar, a qualquer tempo, esclarecimentos acerca dos certificados de qualquer embarcação sobre a qual paire alguma dúvida, ou seja questionada a esse respeito. Caso seja detectado alguma necessidade de ajuste, a embarcação em questão deverá participar das Regatas na Classe Aberta ou em outra Classe para a qual possua certificado válido, até que nova medição seja feita obedecendo-se os novos critérios.
  3. As medições e atualizações de certificados não poderão mais ser feitas por donos de embarcação, seus parentes ou tripulantes habituais.
  4. Para cada Regata, não serão aceitos certificados emitidos com prazo inferior a 48 horas para a Largada, salvo com expressa autorização da Comissão Técnica, que julgará as excepcionalidades;
  5. Qualquer questionamento referente aos certificados, deverão ser encaminhados via formulário próprio para a FVOBA.
  6. A FVOBA desenvolverá esforços para identificar as falhas e os custos decorrentes das correções ficarão a cargo das partes envolvidas, como já é feito no dia-a-dia.
  7. Por fim estamos organizando encontros para conversarmos sobre a regra, no intuito de esclarecer as dúvidas a esse respeito.

Esperamos contar com a colaboração de todos, deixando claro o caráter impessoal e temporário dessas decisões, esperando que possamos voltar à normalidade o mais rápido possível.

Atenciosamente,

Fabrízio Cruz (Capitão FVOB), Maurício Sacchi (Vice Capitão) e André Cossta (Diretor Técnico).

bra_rgs